terça-feira, 10 de maio de 2011

Relatório de Estágio Supervisionado III em espaços não escolares realizado no Cas-Mossoró


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - DE
FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FE
CURSO: PEDAGOGIA 7° PERÍODO MATUTINO



LUCIVANDA BRAGA LIMA








INTRODUÇÃO
     
           A importância de observar a atuação do pedagogo em espaços não escolares se faz necessário para nossa formação acadêmica, pois nos sabemos que ser pedagogo na atual realidade implica na construção de saberes, competências e habilidades que extrapolam a   profissão docente. Nesse contexto, a pedagogia social (MOURA e ZUCHETTI, 2006) apresenta-se como uma possibilidade de realização de práticas pedagógicas em diferentes espaços sociais.
         Assim, é necessário a aproximação desses espaços no processo de formação inicial. Para isto o Estágio Supervisionado III foi realizado no CAS- Centro de Capacitação de Educadores e Atendimento ao Surdo que fica localizado na Rua Av. Rio Branco S/N na cidade de Mossoró, com o intuito de perceber a atuação e o desenvolvimento do trabalho     pedagógico em espaços não escolares.
          O primeiro momento do estágio foi foi um período de observação que tinha como objetivo a instituição como um todo (espaço físico, infra-estrutura, funcionamento, organização administrativa e projetos pedagógicos). O segundo momento foi a docência supervisionada, o momento de vivenciar a relação teoria e prática inerente ao processo de formação.E por fim a construção de um Relatório analítico relatando o trabalho realizado no CAS que teve como procedimentos metodológicos os PCN'S e outros aportes teóricos como LEITE (2007)HAYDAT (1995) e outros teóricos estudados no processo de formação até o momento.      
        Vale ressaltar que, a formação acadêmica contribui para o estágio, pois ela capacita o futuro profissional em educação para que ele desenvolva melhor sua prática  pedagógica.
Portanto é esperado a partir dese trabalho conhecer a prática profissional do pedagogo em espaços não escolares, especificamente do profissional atuante no CAS.



DESENVOLVIMENTO

1° DIAGNÓSTICO DA REALIDADE
1.1° CONTEXTO SOCIAL DA INSTITUIÇÃO

            O CAS- Mossoró é resultado de uma caminhada histórica de superação rumo à inclusão do surdo no Rio Grande do Norte. Em 2005 foi oficializado a criação do Centro de Capacitação de Professores e Atendimento ao Surdo CAS- Mossoró, através do decreto n° 19.131 de 02 de Junho de 2006 publicado no diário oficial do RN.
       Atualmente o CAS- Mossoró atende surdos e surdos com outras deficiências tais como: DM (deficiência múltipla), PC (paralisia cerebral), e Autismo, na faixa etária entre 02 a 57 anos.
       O CAS- Mossoró tem como finalidade favorecer a inclusão do surdo de Mossoró e região, oferecendo os seguintes serviços: Libras ( a língua de sinais), leitura e escrita, verbotonal ( trabalha a oralidade), apoio pedagógico ( alfabetização e anos iniciais), apoio pedagógico por disciplina(ensino fundamental maior e ensino médio), vestibulando (redação, intérprete e orientação verbal), apoio ao surdo universitário (interprete, apoio pedagógico e orientação legal), informática educativa para todos os alunos, tele- sala ( sala de vídeo),  projetos interdisciplinares ( datas comemorativas). Oferece também apoio ao professor da escola regular ( curso de libras), itinerância ( 0 professor do CAS vai até as escolas atender aos alunos surdos). Oferta também apoio aos familiares como: curso de libras, atendimento individual ou coletivo (para esclarecer questões legais em relação a acessibilidade dos surdos.

2° ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NO CENTRO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES E ATENDIMENTO AO SURDO: CAS-MOSSORÓ

           O CAS-Mossoró funciona há cinco anos nos turnos matutino e vespertino com seis salas de aula.
          O trabalho de estágio foi realizado na sala de aula de apoio pedagógico (alfabetização e anos iniciais) onde foi possível observar o trabalho da professora Sandra Gadelha que tem graduação em pedagogia.Sua formação como pedagoga ocorreu há vinte anos. Seu trabalho no CAS-Mossoró é dar um suporte pedagógico as alunos surdos que frequentam escolas regulares.
     A partir da explanação realizada na instituição pedagógica, pode-se perceber que a pedagoga desenvolve sua prática pedagógica a partir das mais variadas atividades, bem como: atividades lúdicas, e recreativas,como a arte de contar histórias em libras, brincadeiras, jogos, dramatização, desenhos, pinturas, vídeos; tudo isso são estratégias para incentivar o interesse dos alunos para que a aula  não se torne cansativa e monótona.
         As atividades são desenvolvidas a partir da elaboração de projetos, no qual conta com a colaboração e participação de todos os professores, nele são  desenvolvidas as atividades a serem trabalhadas anualmente. Para cada mês, é trabalhada uma temática voltada especificamente para cada realidade social, daquelas crianças, e que muitas vezes são conteúdos que não são repassados nas salas de aulas regulares de ensino. Daí a necessidade de se trabalhar com temas transversais, assim nos traz os parâmetros curriculares nacional:

A transversalidade abre espaço para a inclusão de saberes extra -escolares, posssibilitando a referência à sistemas de significado construído na realidade dos alunos. (Parâmetros Curriculares Nacional, 1997, p.40)

          A pedagoga realiza seu trabalho com dedicação e entusiasmo comprometida a fazer um trabalho de qualidade se integrando aos projetos, realizando atividades pedagógicas com os alunos surdos. De acordo com os objetivos desses projetos estão explícitos: reunir a equipe de professores para o planejamento das ações realizadas durante o projeto, avaliar as atividades do mês anterior, observar e avaliar o interesse e a participação dos alunos nas atividades; realizar a culminância do projeto sempre na ultima semana do mês apresentando os  resultados dos mesmos. Nesse sentido:

Planejar é analisar uma dada realidade, refletindo sobre as condições existentes, e prever as formas alternativas de ação para superar as dificuldades ou alcançar os objetivos desejados. Portanto, o planejamento é um processo mental que envolve análise, reflexão e previsão. Nesse sentido, planejar é uma atividade tipicamente humana, e está presente na vida de todos os indivíduos, nos mais variados momentos. (HAYDAT, 1995 p.94)
             
     Os projetos elaborados pela instituição permitem refletir, prever, superar ou alcançar os objetivos desejados, de forma sistemática e organizada, trabalhando melhor as ações didáticas ali desenvolvidas. Diante disso pode-se comprovar que não só as escolas precisam elaborar seus planos de aulas, mas também espaços não escolares, para melhor desenvolverem seus trabalhos pedagógicos. Assim, observa-se, a partir dos projetos e dos planos de aula, que as atividades inerentes ao pedagogo condizem com a perspectiva pensada para o trabalho desse profissional em espaços não escolares, a saber: planejamento, gestão de conteúdos, avaliação do ensino-aprendizagem, dentre outros.
        O trabalho do pedagogo em espaços não escolares trata-se de um novo desafio para esse profissional, pois está atuando em espaços extraescolares, é um caminho para encontrar a nova identidade desse profissional. Apesar de ser uma prática um pouco diferente da educação escolar, não impede que haja planejamentos, didáticas, metodologias, embasamento teórico em fim competências para assumir uma pedagogia social.



CONSIDERAÇÕES FINAIS 
         

          O Estágio Supervisionado III é de suma importância para a formação acadêmica, pois  proporciona ao formando de Pedagogia observar e refletir como está sendo construída a nova identidade profissional do pedagogo em espaços não escolares. Pode-se perceber que essa nova identidade está em processo de construção e que há muitos desafios a serem superados e um deles é de o curso de Pedagogia oferecer mais suporte para atender a essa nova área de atuação profissional. Para que esse profissional atenda a esses diferentes espaços educativos é necessário saberes que envolvam o “saber” e o “saber fazer” nessa prática. Saberes que entrecruzem teoria e prática, tendo em vista a perspectiva do pedagogo como cientista da educação (LEITE, 2007).



REFERÊNCIAS

BRASIL, Ministério da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC-SEF, 1997. 
  
HAYDAT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 2° ed. São Paulo. Ática, 1995.

LEITE, Ivonaldo. O pedagogo e o cientista da educação. Momentos, Rio Grande do Norte, 18: 1130-123, 2006-2007.

MOURA, Eliana; ZUCHETTI, Dinorá Tereza. Explorando Outros Cenários: Educação não escolar e pedagogia social. Disponível em: htp:/ www.  Br/publicações_ cientificas/ images/ stories/ pdfs_ educação/ vol110n3/ art07_ moura pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário